INÉDITOS. 13

19-05-2014 09:24

Num apontamento inédito, António Telmo parte de Camões, o poeta que mais ama e admira, para, uma vez mais, revisitar "Doutoramento e Incesto", um dos seus mais conhecidos Contos Secretos.

____________

Filomela[1]

“Ao longo da água o níveo cisne canta;

Responde-lhe do ramo Filomela”.

Canto nono d’Os Lusíadas

 

 

Filomela, como se deduz da etimologia, é a música porque a ama. Não se transforma o amador na coisa amada?

Na versão latina do mito, Filomela, antes de se ver transformada em rouxinol pelos deuses, não podia falar ou cantar porque lhe tinha sido cortada a língua pelo homem que a violou.

Assim como não há propriamente órgãos que se dizem da fala, pois tais órgãos a natureza os criou para desempenharem funções biológicas: comer, beber, triturar, rasgar, morder, engolir. O macaco não fala e dispõe, como muitos outros animais, de órgãos fonadores análogos aos dos homens. A língua é, pois, uma realidade espiritual: do mesmo modo a música. É a música que move as teclas do piano ou faz vibrar as cordas da guitarra, porquanto as mãos do pianista ou do guitarrista seguem submissos o comando da Musa. É o que o mito parece significar: Filomela, a quem cortaram a língua, foi transformada pelos deuses em rouxinol, o pássaro cantor por excelência.

Num dos meus contos, escrevi que “a música é a espiritualidade dos estúpidos”. Houve quem me interpretasse mal, no sentido de que eu considerava a música uma arte para gente destituída de inteligência. Não pus naquela frase esta intenção. Pelo contrário, signifiquei com ela que, sendo a música a espiritualidade na sua forma universal, por ela até os estúpidos podem experimentar a sensação do divino. Deste ponto de vista, desempenha na humanidade um papel análogo ao do amor que vem ligar o homem e a mulher.

 

António Telmo

 

[1] Título da responsabilidade do editor.

 

Contactos

António Telmo. Vida e Obra antoniotelmovidaeobra@gmail.com