INÉDITOS. 99

02-05-2021 09:54

Fragmento autobiográfico[1]

 

Como os meus irmãos, nasci no centro do hexágono formado pelas muralhas de Almeida, numa rua chamada do Convento.

Os poderes estavam assim distribuídos na carta do céu: o Sol e a Lua em Toiro, na casa nona, fadavam-me para a filosofia e uma Grande Viagem; somente o sinistro Saturno, na casa IV, a dos Pais, da Terra e dos Antepassados, ocupava o hemisfério inferior; os restantes olhavam uns para os outros no hemisfério superior. Oposto a Toiro é o Escorpião. No fundo do céu, este signo significava a minha Mãe, que nasceu sob a sua regência e os meus irmãos, que nasceram a 21 e 25 de Outubro. O mais velho conheceu a vida ainda no signo da Balança.

Sou o mais novo – o benjamim. Liga-me aos meus dois irmãos uma profunda amizade e o que vou escrever pretende apenas mostrar as razões, alheias à nossa vontade, que não permitiram que a relação entre mim e o meu irmão mais velho se não desenvolvesse com qualquer de nós desejaria.

Entre o primogénito e o benjamim há uma misteriosa relação de que se deve tomar consciência sob pena de se explicar o conflito, inevitável, se a relação se assume em toda a sua realidade, como qualquer conflito dos interesses das almas: neste caso, o ciúme do período infantil que perseverasse ao longo da vida, mais ou menos inconscientemente.

A relação entre o primogénito e o benjamim é regida por uma lei que reflecte relações entre princípios.           

 

António Telmo



[1] Nota do editor – O título é da nossa responsabilidade.

 

Contactos

António Telmo. Vida e Obra antoniotelmovidaeobra@gmail.com